Hérnia de disco

4 de março de 2019

Hérnia de disco

As hérnias discais aparecem no nível vertebral lesado, quando está  sendo exigido além do que consegue suportar, é um stress  mecânico, que acaba lesando as estruturas vertebrais. O disco e constituído pelo núcleo pulposo (centro) e o anel fibroso  (região periférica), a hérnia se desenvolve quando a carga  na região faz com que aumente a pressão no núcleo  pulposo, forçando os anéis fibrosos que acabam cedendo. O núcleo atravessa os anéis fibrosos ate sair do disco  intervertebral, o problema acontece quando o disco  "pinça" a raiz nervosa, pois os nervos são responsáveis pela  inervação de várias regiões e tecidos diferentes. 

É normal sentir dores em lugares distantes da hérnia, como  mãos e pés. Mas nem sempre essa irritação nervosa é mecânica,  o fato de o núcleo pulposo estar em uma região que não é o seu 
habitat comum, gera uma inflamação, e essa inflação pode  acarretar em uma irritação neurológica e acabar desencadeando  dores da mesma forma como se o nervo estivesse sendo comprimido.

A hérnia discal começa geralmente com uma desidratação proveniente do aumento do stress do segmento vertebral, obrigando a água sair e não consegue retornar ao disco que está com uma pressão sobrecarregada. Depois que esse segmento está sendo sobrecarregado durante um tempo, essa desidratação se transformará em uma protrusão discal, que seria um leve abaulamento discal (início da lesão dos anéis fibrosos), que pode ou não comprimir a raiz nervosa. A hérnia discal é o último estágio, onde a lesão tecidual já está presente com extravasamento do núcleo pulposo.

A hidratação discal depende de toda trama vascular na região cartilaginosa e qualquer diminuição dessa trama vascular pode intensificar ou gerar problemas discais, a hérnia pode ocorrer devido a traumas locais, bloqueios articulares de outras regiões, posturas inadequadas, fumo, diabetes e fatores hereditários.